Busca, Destaque, Notícias, PC, Plataforma, Playstation 3, Primeiras Impressões, XBox 360

Primeiras Impressões: Alice Madness Return

Conheça a mente perturbada de uma garota na ponta da insanidade!

Era uma vez uma menina chamada Alice. Um dia ela viu um coelho doido e seguiu-o até uma toca. Lá, ela caiu no buraco e foi parar em um mundo mais louco que as drogas poderiam leva-la! Mas felizmente a história de Alice Madness Return não é essa Disneyada que conhecemos. Lançado em 2011, desenvolvida pela Spicy Horse e projetada pelo American McGee, Alice Madness Return é a sequencia de Amerian McGee’s Alice, este lançado para Windows e Mac em 2000, demonstrando como a garota ficou após os acontecimentos anteriores. Inicialmente digo-vos que não é um jogo lindo e maravilho cheio de fru fru e arco íris que saem da bunda de unicónios, o enredo é bem profundo e envolvente, sombrio o suficiente para querer faze-lo jogar até o final, em busca de respostas.

Após conseguir a liberação do asilo de Rutledge, sua curadora, a enfermeira Witless, leva a garota para a casa da juventude em uma Londres vitoriana. No entanto, após um ano da liberação, ela volta a sofrer perturbações das memórias da tragédia que matou seus pais e sua irmã mais velha, fato que a fez sentir-se culpada por ser a unica sobrevivente e ve-los morrerem. Enquanto a garota trabalhava em Houndsditch, começou a fazer terapia hipnótica com o Dr Angus Bumby, para que esta esquecesse o incendio usando o mundo das maravilhas como conforto, mas o progresso era lento e Alice inconscientemente relutava para não esquecer o passado. Após sofrer algumas alucinações, Alice volta para o Wonderland, em busca de conforto e tranquilidade, mas encontra um mundo caótico causado por sua mente perturbada, e descobre que há uma nova ameaça que está inquietando todos os estranhos moradores desse mundo, obrigando agora Alice a ir atrás do que todos estão chamando de “Trem Infernal”, assim como descobrir o que realmente aconteceu no dia do incendio e se agarrar ao resto sua sanidade.

O Wonderland representa a mente de Alice, o mundo criado pela mesma para poder escapar do mundo real, e é nesse mundo em que o jogo ocorre. Existem 6 capítulos, cada um representando um mundo diferente. Personagens muito conhecidos aparecem no jogo, como o famoso Gato de Cheshire, que lhe ajuda na aventura dando dicas e algumas charadas, o Chapeleiro Maluco, obcecado pelo tempo e que pretendia usar todos os habitantes daquele mundo em suas invenções, mas que agora está no lixão, e pede ajuda a garota, assim como tenta leva-la ao local em que o comboio do Trem Infernal foi construido, a Lebre e o Ratão, antigas vítimas do chapeleiro, a Tartaruga falsa, a Lagarta, e até mesmo a Rainha de Copas, aquela que no primeiro jogo representava toda a culpa, loucura, raiva, dor, entre outros sentimentos de Alice, agora com uma outra representação.

A história é um dos pontos fortes do jogo, a exploração na mente insana de Alice é de tal envolvimento que acabamos refletindo sobre tudo o que acontece ali, teorizando significados para os monstros, para os cenários e situações, além de diálogos e lembranças que descobrimos no decorrer do jogo.

O estilo de jogo é de plataforma, ou seja, voce vai pular de um lugar para o outro, além de ser linear, você não voltará para trás depois de certas partes do jogo, o que pode fazer com que desatentos deixem memórias ou minigames importantes para melhorar a vida, esta que é representado por rosas.

Um dos pontos fortes do jogo é seu visual, há vários cenários belos, macabros, bem construídos e detalhados, alguns como o capítulo cinco, a casa das bonecas, um tanto quanto sinistro, mas muito significativo. Os personagens secundários são modelados …

As batalhas podem ser classificadas como boas, e cada inimigo acaba tendo uma estratégia diferente, assim como uma arma certa para ser utilizada, o que faz todas as armas muito eficazes em vários momentos, em contrapartida, os inimigos acabam sendo repetitivos, e não há exatamente um chefão, além do “Trem Infernal”, ou seja, não espere chegar no final da fase e enfrentar um chefão, pois você poderá se decepcionar se criar expectativas, mas durante as fases, haverão inimigos fortes que podem dar um trabalho digno de chefes, como por exemplo o Executoner, uma carta de baralho carrasco. Temos somente quatro armas nesse jogo, uma distrativa e um “escudo”, e claro, temos a famosa Vorpal Blade, sua fiel faca tramontina, com um dos golpes mais rápidos e mortais da garota gótica.

Não sei porque, mas Alice me lembra um pouco Amy Lee

Como dito anteriormente, o jogo é de plataforma, voce pula para la e para cá, é linear, no entanto, uma das coisas que peca é a repetividade dos quebra cabeças e desafios, além de uma das fases ser estendida demais. Quando joguei e cheguei na bendita fase 3, ela parecia infinita, e isso desanima um pouco, se voce repete varias vezes as mesmas coisas, e nela não havia necessidade de estender tanto, quanto o capitulo 5, aqui, mesmo sendo estendido, ele mudava o aspecto, os lugares, e passava a mesma angustia que a personagem sentia.

Mas mesmo com esse defeito, não compromete na história do jogo. Alice é uma personagem bem modelada, e sentimos a diferença quando estamos no mundo real e no Wonderland, principalmente pelos cabelos. No mundo real, ele é um pouco preso, não há tantos movimentos quando se anda, no entanto, isso muda quando estamos no Wonderland, o cabelo, feito fio a fio, sim, querido gafanhoto, os fios de cabelo da Alice foram feitos um por um, e dá para perceber pelo próprio jogo, uma coisa linda de se ver, já que cabelos normalmente são presos e pouco se mexem em grande parte dos jogos, mas aqui eles esvoaçam quando estão andando, pulando, subindo ou descendo plataformas. Assim como as variadas roupas, cada uma com o tema do lugar em que estão, além das DLCs para adquirir outras roupas, deixando o repertório muito lindo e detalhado.

Modo Hysteria: Alice em TPM

Outros que não podem deixar de lado são os personagens que compõem o mundo, como o Chapeleiro Maluco, arrebentado e com cicatrizes, o Ratão e a Lebre, ambos modificados e com partes mecânicas no corpo, todos com sequelas da investida do Chapeleiro no primeiro jogo, aqui, revoltados com ele. A Lagarta, nada de excepicional, grande e majestosa, sem falar da rainha, que ao contrario daquela vista no primeiro jogo, um ser enorme e alienigena, mesmo vivendo num castelo de carne, ela agora tem a cara da irmã mais velha de Alice, que morreu no incendio. O temperamento e comportamento de cada um deles mostram como Alice hoje os vê, um arrependido pelo passado, outro querendo vingança pelo seu antigo carrasco, alguém querendo ajuda-la como gratidão, etc. Mas o mais impressionante ainda é o Cheshire, magro, sua pele definindo sua ossada, seu sorriso que o deixa com cara psicopata, mesmo sendo um mentor importante para Alice nesse jogo, não deixa de ser perturbador.

Alice Madness Return talvez seja aquele jogo em que você deve pedir emprestado para seu amigo, ou alugado em uma loja, pois não é o tipo que o faz dar uma outra dose após fecha-lo, mesmo a história sendo muito boa, a lineariedade e extensão de algumas fases deixa a desejar, fazendo com que você demore para joga-lo novamente, ou talvez, jogue com um amigo. É um jogo ótimo pela história, que já vou avisando, o final não é “e então viveram felizes para sempre”, longe disso, mas mesmo assim, é um dos melhores finais que já vi em um game, triste, lindo, perturbador e agoniante, mas condiz muito com a situação em que se encontra a garota perturbada. Considero o evento do capitulo 5 no mundo real o que aconteceu com Alice após o capitulo 6, mas isso vai da interpretação de cada um.

Uma curiosidade: o jogo não possui game over, mas foi cogitado que a cada morte no Wonderland, Alice teria um tipo de óbito no mundo real. Não sei porque tiraram, mas parecia muito interessante a quantidade de mortes que teria, até porque nem sempre pular de uma plataforma a outra, ou enfrentar os inimigos sejam tão faceis, um deslize e você se vê no checkpoint anterior. Alice Madness Return, vale a pena ser jogado pela sua fascinante e tenebrosa história.

Como visto em meu blog

1 comments
Yagami
Yagami

Omedetou Nyu-chan eu sabia que cedo ou tarde c estaria aqui tb ^^