2011, Artigos, Artigos, Busca, Destaque, Especial, Eventos, Notícias, Video Games Live

Video Games Live 2011 – Rio de Janeiro

O Video Games Live 2011 ocorreu, este ano, em 3 cidades no país: Rio de Janeiro (dia 9), São Paulo (dia 12) e Porto Alegre (dia 15). No Rio, o show de músicas de games aconteceu logo após o Brasil Game Show, no mesmo local, e quem tinha ingresso para o VGL, também pôde aproveitar o BGS, no dia do show. E Lucas Abend esteve presente para nos contar como foi o show.

O início não trouxe novidades, com vídeos já conhecidos pelo público, que estiveram presentes em outras edições do evento, como o vídeo da fuga da Ms. Pacman pela cidade, correndo de seus algozes fantasmas. No entanto, isso logo mudou quando o show teve início, com músicas de Street Fighter. Até ai, também não seria novidade, certo? O que fez desse momento diferente foram os vídeos mostrados ao fundo – vídeos do Blanka, o personagem brasileiro de Street Fighter, aparecendo em diversos jogos da série e descendo o sarrafo em diversos oponentes – e com Tommy Tallarico, mandando ver na guitarra, como sempre. Desnecessário dizer que o público (e eu, incluso) ADORAMOS isso. E que fã de Street Fighter não vibra quando eles tocam Clamato Fever?

 

Em seguida, qual não foi a nossa surpresa quando Wataru Hokoyama, o compositor de jogos como Resident Evil 5, surge no palco? Ele começou com músicas de Afrika, um jogo pouco conhecido no qual ele trabalhou. Embora pouco conhecido, as músicas do jogo são excelentes. Foi uma agradabilíssima surpresa ver (digo, escutar) as músicas deste jogo sendo tocadas no evento e digo até que fiquei curioso em jogar depois de escutar as músicas e ver os vídeos.

Depois de apresentar ao público a trilha sonora deste jogo pouco conhecido, Wataru continuou o show com a trilha sonora de um jogo muito bem conhecido: Resident Evil 5.

Quem surgiu a seguir foi uma figura já conhecida – Laura Intravia, mais conhecida como “Flute Link”. Laura já se apresentou diversas outras vezes no Video Games Live, vestida de Link e tocando sua flauta. No entanto, esse ano ela apareceu, em um primeiro momento, de um jeito diferente: roupas vermelhas e azuis, boné vermelho… É isso ai, ela veio de “Flute Mario”. E tocou diversas músicas dos jogos de Mario na flauta. Sensacional!

 

 

E as surpresas continuaram. Depois das apresentações de Wataru e Laura, foi mostrado ao público um vídeo muito interessante para qualquer fã de games: o vídeo onde Ralph Baer, o criador dos consoles de videogames, mostra o primeiro console já criado e como ele funciona. E não parou por ai: logo em seguida, Tommy trouxe o próprio para falar com o público – não no palco, mas ao vivo, via Skype.

O show então prosseguiu com músicas de Halo Reach, uma outra franquia que também está sempre presente no VGL.

Até aqui, já tivemos as presenças de Wataru e Laura no palco e Ralph Baer via Skype. E então, mais uma presença marcou o evento: Russel Brower, diretor de áudio da Blizzard e que já ganhou prêmios por alguns de seus trabalhos, para atuar como maestro em algumas músicas. Antes, foi mostrado o trailer da expansão Burning Crusade, do World of Warcraft, dublado em português brasileiro, e então Russel e a orquestra tocaram a música-tema de Starcraft 2: Wings of Liberty. Depois, mais uma vez com Laura Intravia no palco (mas desta vez, como vocal lírico), ela, Russel e a orquestra tocaram músicas de World of Warcraft.

Após as músicas de WoW, ainda com Laura no vocal, o público foi agraciado com a música de introdução de Metal Gear Solid 3: Snake Eater.

Em seguida, foi mostrado mais um video, desta vez um vídeo com o criador de Tetris, Alexey Pajitnov, falando sobre o jogo e sobre o VGL, e culminando com a “Tetris Opera”, onde mais uma vez Laura encantou o público, cantando a música do jogo.

O show ainda trouxe algumas músicas presentes em outras edições do evento e que sempre agradam ao público, como Castlevania (que, na minha opinião, não pode faltar nunca), Mass Effect, Legend of Zelda (que está comemorando 25 anos este ano e, portanto, várias músicas da série foram tocadas).

 

Mas uma outra grande novidade que trouxeram ao público este ano foi as músicas de um jogo que há muito tempo são solicitadas pelo público: Pokémon! Sim, músicas de Pokémon, deste a abertura até o tema da Equipe Rocket! Embora eu não seja assim TÃO fã de Pokémon, tenho que dizer que foi muito show escutar as músicas da série. (sacaram a piadinha? “muito show” dentro do show? Hã? Hã? Tendeu? HAHAHA eu prometo que não faço mais essas piadinhas…)

Piadinhas sem graça à parte, Russel voltou a se apresentar com mais músicas de World of Warcraft. Para quem é fã do jogo, esse ano foi um verdadeiro espetáculo… E para quem não é fã também, pois as músicas são maravilhosas. Além disso, o jogo agora está sendo lançado gratuitamente e traduzido para o português brasileiro, então realmente é algo a ser comemorado com um espetáculo.

Há duas coisas que acontecem em todas as edições do show: o concurso de cosplay antes do início das apresentações e o desafio de Guitar Hero. O vencedor do concurso de Guitar Hero vem ao palco e deve fazer mais de 250 mil pontos em uma música escolhida por Tommy – este ano foi The Pretender, do Foo Fighters. E, como sempre, ele diz que a dificuldade é Hard, o público pede para aumentar para Expert e assim acontece. E, bem como nas 2 edições anteriores nas quais eu estive presente, o participante conseguiu vencer o desafio.

Já chegando ao final, o show continuou com mais uma música que nunca falta: One Winged Angel, de Final Fantasy 7, que, como sempre, agita o público. Depois da música-tema de Sephiroth, vieram músicas de Chrono Trigger e Chrono Cross. Melhor jeito de concluir o evento, impossível.

Mas, antes da conclusão do evento, ainda teve uma última música, que também foi a música de fechamento do evento no ano passado: Still Alive, de Portal. E, assim como no ano passado, achei genial terminar o show assim.

De modo geral, o Video Games Live foi excelente e não decepcionou o público. Porém, tem algo que eu preciso comentar: em São Paulo, foi tocada uma música de Diablo 3. Perae, como assim? Tocaram uma música de Diablo 3 na edição do VGL deste ano em SP, mas não no Rio? Isso foi sacanagem, muita gente esperava por alguma música de Diablo 3 no show e no Rio não tivemos… Não sei se na edição do VGL em Porto Alegre foi o mesmo caso do Rio.

Também senti falta de músicas de Uncharted 3, um dos lançamentos mais esperados do ano, seria legal escutar algumas músicas do jogo pouco antes do lançamento do mesmo… Mas isso sou eu falando como fã da franquia, não sei se tem tanta gente assim que gostaria de ter ouvido a trilha sonora de U3 tanto quanto eu.

O que acharam do evento deste ano? Alguma sugestão de trilha sonora de algum jogo para a próxima edição do show? Eles estão sempre aceitando sugestões. Pessoalmente, eu gostaria de ouvir a trilha sonora de Metal Slug e também sugerir uma música: Zombie On Your Lawn, de Plants vs Zombies. Acho que ficaria perfeita junto com Still Alive, de Portal.

0 comments